terça-feira, 2 de novembro de 2010

Nas atuais circustâncias da física teorica,já é possível afirmar que uma força superior não foi necessária para formar o nosso universo como publicou o Dr. Stephen Hawking?

Nunca se precisou considerar a necessidade de nenhuma intervenIência externa ao Universo para explicar o seu surgimento. A proposta de Hawking em seu livro "The Grand Design" se baseia na Teoria M e na noção de Multiversos, que ainda não são confirmadas. Na minha opinião nunca serão e, simplesmente, não existe nenhuma teoria unica que reúna a gravitação com as interações forte, fraca e eletromagnética. Considero que a versão da Relatividade Geral, que não considera a gravitação como uma interação seja a melhor explicação. A teoria dos Multiversos considera que existem vários Universos disjuntos, cada um deles com suas próprias leis físicas e este em que estamos possui um ajuste fino para que a vida humana tenha surgido, como diz o "Princípio Antrópico". Neste caso haveriam "meta-leis", que descreveriam o processo de criação de cada Universo no Multiverso. Isto não explica se o Multiverso sempre existiu ou como surgiu, de modo que não exclui a existência de Deus. Para mim só há este Universo e não existe princípio antrópico nenhum. Tudo aconteceu ao acaso, por coincidência e deu no que deu. Sem nenhum Deus. Isto é simples e perfeitamente admissível, sem problema de interpretação.

Ask me anything (pergunte-me o que quiser)

Um comentário:

Ron Krumpos disse...

In "The Grand Design" Hawking says that we are somewhat like goldfish in a curved fishbowl. Our perceptions are limited and warped by the kind of lenses we see through, “the interpretive structure of our human brains.” Albert Einstein rejected this subjective approach, common to much of quantum mechanics, but did admit that our view of reality is distorted.

Einstein’s Special Theory of Relativity has the surprising consequences that “the same event, when viewed from inertial systems in motion with respect to each other, will seem to occur at different times, bodies will measure out at different lengths, and clocks will run at different speeds.” Light does travel in a curve, due to the gravity of matter, thereby distorting views from each perspective in this Universe. Similarly, mystics’ experience in divine oneness, which might be considered the same "eternal" event, viewed from various historical, cultural and personal perspectives, have occurred with different frequencies, degrees of realization and durations. This might help to explain the diversity in the expressions or reports of that spiritual awareness. What is seen is the same; it is the "seeing" which differs.

In some sciences, all existence is described as matter or energy. In some of mysticism, only consciousness exists. Dark matter is 25%, and dark energy about 70%, of the critical density of this Universe. Divine essence, also not visible, emanates and sustains universal matter (mass/energy: visible/dark) and cosmic consciousness (f(x) raised to its greatest power). During suprarational consciousness, and beyond, mystics share in that essence to varying extents. [quoted from my e-book on comparative mysticism]

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails